A loira do banheiro (Bloody Mary brasileira)

Todos já devem ter ouvido falar da loira do banheiro e provavelmente muitos já tentaram fazer o ritual para que ela aparecesse no banheiro.

Existem várias versões para chamá-la, algumas delas são:
1. Falar seu nome três vezes diante do espelho;
2. falar três palavrões e chutar o vaso sanitário;
3. jogar um fio de cabelo virgem (sem pinturas ou outro tipo de produtos químicos), dar três descargas e chutar o vaso três vezes trancado dentro de um box do banheiro da escola, entre outras versões espalhadas pelo Brasil a fora.

Mas quem realmente foi a loira do banheiro?

Seu verdadeiro nome é Maria Augusta de Oliveira, nascida no final do século 19 em Guaratinguetá-SP.

Filha do Visconde de Guaratinguetá, foi obrigada a se casar aos 14 anos de idade com um homem que não gostava, algo muito comum para a época.

Mesmo após 4 anos casada, Maria Augusta não se acostumou com seu casamento, vendeu suas jóias e fugiu para Paris aos 18 anos onde viveu até 1891, falecendo aos 26 anos. Até hoje ninguém sabe o motivo de seu falecimento precoce, pois o atestado de óbito sumiu.

A família, ao saber de sua morte, solicitou que o corpo fosse enviado para o Brasil, fizera uma urna de vidro na casa da família até que o túmulo ficasse pronto.

Após a concluírem a construção do túmulo, a mãe de Maria se recusou a enterrá-la, mas após vários episódios de pesadelos constantes que a mãe permitiu que o corpo da jovem fosse sepultado.

Alguns anos depois, o casarão onde vivera Maria Augusta e sua família, se tornou uma escola estadual chamada Conselheiro Rodrigues Alves, local onde há relatos de avistamento do espírito de Maria Augusta até os dias de hoje, sempre sendo visto nos banheiros femininos da escola.

Mas como essa história tão antiga chegou ao ouvido de, se não todos, quase todos os brasileiros?

Em 1916, um incêndio sem explicações acometeu a escola, fazendo com que o local tivesse que ser completamente reconstruído, desta forma, hipóteses de que poderia ter sido o espírito enfurecido de Maria Augusta foram surgindo e se espalhando por todo Brasil, claro, como um telefone sem fio, pois a maioria das pessoas não conhecem a verdadeira lenda da loira do banheiro, e as que conhecem ouviram falar recentemente das origens dessa lenda tão famosa do nosso país

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *