Ding Dong #CreepyArt

Segundo colocado no evento #CreepyArt da comunidade Amino Terror: Under the Bed.

Parabéns, •ω• Yuηα-chαη •ω•.

Autor da CreepyArt: •ω• Yuηα-chαη •ω•.

Crédito pela imagem: Ren.

    Existe uma brincadeira que foi criada há um tempo. Seu nome é verdade ou desafio. Ela consiste em girar uma garrafa (ou algo que tenha duas pontas) para sortear quem irá perguntar e quem irá responder. O indivíduo que responderá terá que escolher entre verdade ou desafio, e ele tem que cumprir sua escolha, caso contrário terá que fazer algo pior.

   Certo dia, eu e meus amigos decidimos jogar isso, e começamos tranquilos, até Josh querer dificultar as coisas. A garrafa foi girada e eu fui a escolhida para responder. Desafio foi o que escolhi e, bom, foi a pior escolha que já fiz…

   Em um canto bem isolado da cidade, há uma mansão. Lá morou a família Blooder com sua filha de 7 anos, Lilly Blooder. Em 1986 ocorreu o assassinato da família. A polícia nunca soube quem os matou, porém, após o incidente, algumas pessoas relataram terem visto o espírito da garotinha com sua fina voz cantarolando repentinamente “Ding Dong”.

   É óbvio que meu desafio foi entrar nessa mansão, e eu teria que andar por todo local. Meu medo foi grande, mas, mesmo assim, eu entrei.

   A entrada era composta por uma grama esverdeada, um caminho de pedras brancas, dois altos pilares com a coloração parecida com o bege e uma grande porta feita com madeira de carvalho escuro.

   O mais estranho era que tudo estava perfeito, como se alguém, pelo menos duas vezes por semana, fosse cuidar da casa.

   Ao olhar por fora, a impressão era de que por dentro não daria medo. Eu estava enganada. Quando entrei na mansão, dei de cara com uma teia de aranha e uma escuridão sem fim. A mansão estava repleta de quadros da família Blooder; sua sala era composta por um grande tapete vermelho, uma enorme mesa com um lustre, cuja luz não estava funcionando.

   Conforme eu andava, estava tendo um pressentimento, como se alguém estivesse me observando, e eu não estava enganada: em certo momento, vi um vulto acompanhado de uma fina voz cantarolando repentinamente “Ding Dong”.  Naquela hora senti um calafrio, e, sem pensar, saí correndo para a saída, mas, como nem sempre as coisas são como queremos, a porta estava trancada.

   Minha única saída foi subir as escadas. No segundo andar havia um enorme corredor cheio de quartos, e no terceiro andar havia apenas um quarto, localizado no final de um longo corredor, em cuja porta estava escrito “Lilly”.

   O motivo eu não sei, mas entrei no quarto. Ele era lindo, cheio de pelúcias, bonecas e tudo mais. Aquele quarto era o único cômodo que não me dava medo.

   Quando me virei, ela estava lá, a garotinha, com um vestido preto e branco e em seus braços abraçava delicadamente sua cabeça, seus olhos estavam escuros sem vida e em seu rosto havia sangue.

  Eu me lembro muito bem de sua voz rindo e cantarolando “Ding Dong”, e agora, eu sou mais uma de sua coleção…

                              “D I N G    D O N G”

Eu espero muitíssimo que vocês tenham gostado, confesso que passei um bom tempo pensando nessa creepy. Estou muito feliz em poder participar desse evento e desejo boa sorte a todos que participarem!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *