A lenda dos túmulos que se uniram

Essa lenda é do estado do Paraná e nos conta a história de um suposto casal de noivos que, pouco antes de se casarem, faleceram.

Tudo aconteceu na cidade de São José do Triunfo-PR.

A lenda diz que um casal, Lourenço Hipólito Neto e Maria Antunes Ferreira, estavam prestes a se casar, entretanto, uma fatalidade tomou conta do casal. No dia 10/02/1939, aos 63 anos de idade, Maria veio a óbito. 7 meses mais tarde, aos 14 anos, falece Lourenço Hipólito Neto.

A lenda não se enquadra exatamente em uma história de terror, mas sim de amor. Um tempo mais tarde os túmulos dos dois se unem. Desafiando as leis da física, o casal que não pôde permanecer unido em vida, se uniu em morte.

Veja abaixo algumas imagens dos túmulos unidos:

Túmulo unido / YouTube / Canal Tribuna da Massa – Curitiba e região
Túmulo unido / YouTube / Canal Tribuna da Massa – Curitiba e região
Túmulo unido / YouTube / Canal Tribuna da Massa – Curitiba e região

Na entrevista gravada pelo canal Tribuna da Massa, uma mulher relata ter ouvido Maria chorar várias vezes em seu túmulo.

O cemitério em questão se tornou muito popular devido a este acontecimento sobrenatural.

Incoerências 

Por mais que os túmulos realmente tenham se unido, a história de amor nos deixa com um pé atrás devido a algumas incoerências:

A diferença de idade entre os dois era significativa. Maria nasceu no dia 02/01/1876 e faleceu em 10/02/1939, com 63 anos de idade. Lourenço, por sua vez, nasceu em 16/10/1924 e faleceu no dia 24/09/1939, com 14 anos de idade. Ou seja, embora falecidos no mesmo ano, a lenda fala sobre um casal com quase 50 anos de diferença.

Outro ponto que nos faz duvidar da história são as inscrições na placa do túmulo de Maria. É possível enxergar claramente as palavras: “Lembranças de seu esposo e filho”. O que prova que Maria já era casada, fazendo com que a lenda de que o casal faleceu antes de se casar entrar em contradição.

Túmulo unido / YouTube / Canal Tribuna da Massa – Curitiba e região

 

E você? O que acha dessa história? 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *